TCE-SP divulga gastos das Câmaras Municipais

Clique aqui e peça agora

O Tribunal de Contas do Estado de SP, divulgou na última semana os dados atualizados do chamado “Mapa das Câmaras”.Com custo total que supera R$ 3,5 bilhões por ano, o gasto per capita para o funcionamento dos Poderes Legislativos de 644 municípios paulistas (todos, exceto capital) foi de R$ 107,29. O dado integra o Mapa das Câmaras, levantamento produzido pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP) que acaba de ser divulgado. Os dados se referem ao período entre setembro de 2022 e agosto de 2023. VEJA MAIS ABAIXO OS DADOS DE CAPIVARI E RAFARD.

A Câmara Municipal mais cara foi a de Guarulhos, com custo aproximado de R$ 118,3 milhões em todo o período analisado, seguida por Campinas, com despesas de R$ 117,8 milhões. Já os gastos da Câmara de Osasco, terceira colocada, foram de 80,8 milhões.

O site exibe informações sobre o custo e a quantidade de vereadores e quanto representa, em termos orçamentários, o funcionamento do Poder Legislativo nos municípios paulistas. Se o cidadão acessar através do site do TCE-SP, apresenta ainda um mapa interativo que permite a realização de pesquisas e comparativos entre os gastos feitos pelos municípios (exceto a Capital).
Os dados podem ser baixados na forma de planilhas e é possível realizar comparativos entre os gastos feitos pelas cidades paulistas.

Consultamos dados das Câmara de Rafard e Capivari, onde o SeuJornal tem maior público interativo, a Câmara de Rafard, presidida atualmente pelo vereador Luis Fernando Zape, teve um gasto per capita de R$ 163,05, o TCE-SP fez a soma com base em população de 8.965. Já o gasto total da Câmara de Rafard foi de R$ 1.461.710,97. ( Período de Referência, Set.2022/Ago.2023).

A Câmara de Capivari, presidida atualmente pelo vereador Thiago Braggion, teve um gasto per capita de R$ 91,26 e gasto total de R$ 4.569.327,29.( Período de Referência, Set.2022/Ago.2023).

“Não há dúvida de que as Câmaras são importantíssimas, mas não é razoável termos municípios em que elas custam mais até do que a cidade pode arrecadar. Afinal, isso significa que recursos que deveriam ser usados na saúde e na educação, por exemplo, estão indo para os Legislativos”, declarou o Presidente do TCESP, Sidney Beraldo. “Damos publicidade a esses dados justamente para que a população cobre os gestores e exija as mudanças necessárias para reverter essa situação. O controle social existe para isso.”

Confira o Painel das Câmaras, na íntegra, aqui.

Redação

Esta notícia foi publicada por um dos redatores do SeuJornal, não significa que foi escrita por um deles, na maioria dos casos, foi apenas editada.
Botão Voltar ao topo