Seja bem-vindo
Capivari,29/05/2024

  • A +
  • A -

Polícia vai investigar homofobia em caso de menino morto pelo padrasto em Monte Mor

G1 Campinas e Região
Polícia vai investigar homofobia em caso de menino morto pelo padrasto em Monte Mor Segundo o delegado Fernando Bueno, o suspeito disse à polícia que agrediu a criança na perna duas vezes. Já de acordo com a Secretaria de Segurança do município, o padrasto teria confirmado que “deu um corretivo na criança”. Foto: Divulgação

A Polícia Civil informou, na manhã desta segunda-feira (29), que vai investigar crime de homofobia, no caso de Luiz Fellipe Darulis, de 12 anos, morto pelo padrasto, Cirilo Abel Barreto, após sessão de castigo físico e agressões com pedaços de madeira, em Monte Mor (SP).

Segundo o delegado Fernando Bueno, o suspeito disse à polícia que agrediu a criança na perna duas vezes. Já de acordo com a Secretaria de Segurança do município, o padrasto teria confirmado que “deu um corretivo na criança”. O g1 não localizou a defesa do homem.

"Vamos chamar outras testemunhas ligadas ao vínculo familiar deles, da família da criança, para saber como seria essa relação criança e padrasto, e tudo que está em torno disso. Tudo vai ser investigado, inclusive essa possibilidade de envolver homofobia", diz o delegado.

Um vídeo contém uma foto do padrasto da vítima com uma camiseta da Associação Abutre's Moto Clube Raça em Extinção. Em nota, o grupo afirmou que Barreto não faz parte do quadro associativo e tampouco tem relação com a associação. Além disso, a associação lamentou o "fato aterrorizante que causou a morte do menor" e afirmou ser uma instituição idônea, sem fins lucrativos e focada em ações sociais no Brasil.

Vítima gostava de brincar com bonecas

Luiz Fellipe foi enterrado nesta segunda, no Cemitério Municipal, e o sepultamento foi acompanhado por familiares e amigos. À EPTV, afiliada da TV Globo, um professor disse que o adolescente tinha o hábito de brincar com bonecas.

“É muito triste você perder um adolescente dessa forma, que nunca falou alto, nunca teve nenhuma palavra de baixo calão. Era um aluno respeitoso, gostava de brincar. Era um garoto que, na idade dele, brincava com as bonecas e era uma das coisas que ele gostava de fazer. [...] Ele era apaixonado pela vida, ele gostava de viver do jeito dele, na individualidade dele, era o Luiz”, afirma Antônio Gonçalves.

Ainda de acordo com o professor, Luiz Fellipe já havia manifestado preocupação com as punições aplicadas pelo padrasto. “Ele tinha seu melhor amigo e, às vezes, a gente como professor escutava a frase que o padrasto não gostava dele, que ele sofria puxadas de orelha, que se alguma coisa acontecesse na escola e chegasse ao ouvido do padrasto ele ia sofrer algumas broncas”, diz.

Médico acionou GM

De acordo com a Polícia Civil, a mãe, ao chegar na residência, viu o filho Luiz Fellipe machucado após ser agredido e buscou ajuda no Hospital Beneficente Sagrado Coração de Jesus, mas o adolescente chegou na unidade morto.

“Segundo o médico que atendeu a criança, o menino passou mal em casa, com falta de ar e fraqueza. O menino de 12 anos já estava em óbito quando chegou ao hospital, segundo o médico que acionou a GCM”, destacou a prefeitura.

Preso em flagrante

A Polícia Civil informou que assim que os médicos constataram as marcas de agressões, acionaram a Guarda Civil Municipal, denunciando o padrasto, que foi preso em flagrante.

Segundo a prefeitura de Monte Mor, o corpo da criança foi encaminhado para o IML de Americana, para realização o exame necroscópico.

O homem foi levado para a delegacia para registro de ocorrência, e depois passou por audiência de custódia, onde teve a prisão mantida. Ele foi encaminhado à cadeia de Sumaré (SP).




COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.