Professor de Capivari lança clube de música para amantes do cajón

Instrumento surgiu no Peru e vem se popularizando no Brasil; lojas de instrumentos musicais de Capivari viram vendas crescerem no município durante pandemia

Texto de Laila Braghero , fotos Danilo Antunes – Cajoneros (lê-se carroneros) é um clube de música com foco no cajón e que tem como objetivo reunir tocadores do instrumento para uma experiência única de aprendizado, troca e diversão. O projeto é idealizado pelo professor de música Túlio Schincariol e, para participar, não precisa ser profissional: basta ter um cajón em casa ou ao menos ter vontade de aprender a tocar o instrumento de percussão.

Túlio explica que o projeto é uma oportunidade de conhecer pessoas novas e de se aventurar em um universo cultural sem fronteiras, já que o cajón é extremamente versátil para praticamente todos os ritmos. “Quero explorar o samba, o maracatu, o frevo, o baião, o xote, o reggae, o pop, todos os estilos musicais.” Os encontros serão gratuitos. “Sempre vai começar com uma performance de percussão só de cajón, e depois a gente vai para o repertório, cada dia de um ritmo diferente”, detalha.

Ainda de acordo com o professor, a ideia é ir aperfeiçoando as reuniões com outros instrumentos musicais e convidados especiais, a fim de popularizar o cajón em Capivari. “Aos poucos, vou convidar cantores para fazerem voz e violão, músicos de samba, batucadas de escolas de samba, grupos de reggae e de baião, para fazer o corpo musical. Mas o foco será sempre o cajón.”

O clube de música acontecerá mensalmente às terças-feiras, das 19h às 20h, no estúdio de Túlio, que fica na casa dele: Rua Dr. José Luís Cabreira, 21, Castelani, em Capivari. Se interessou? Confira mais informações em: facebook.com/cajonerosgrupodecajon ou pelo WhatsApp: (19) 99673-5586.

A história do cajón

O cajón surgiu no Peru, durante o período colonial. Conta-se que os africanos escravizados, ao serem separados de seus instrumentos de percussão pelos feitores da época, passavam a utilizar caixas de madeira e gavetas para tocarem seus ritmos. Por isso, com o passar do tempo o instrumento recebeu o nome de cajón, que é o aumentativo da palavra caja, que significa caixa em espanhol e se pronuncia carron.
Hoje, o cajón é considerado pelo governo peruano como “Patrimônio Cultural da Nação”. Foi lá que, no dia 13 de abril de 2013, obteve-se um record mundial: 1.524 pessoas vestidas de branco, entre adultos e crianças, tocaram o instrumento de percussão ao mesmo tempo em praça pública. O feito aconteceu durante o VI Festival Internacional de Cajón Peruano e entrou para o livro do Guinness.

O cajón é todo construído em madeira e pode ser encontrado em várias opções: reto, inclinado, com microfone dentro, sem microfone, para crianças etc. Sua versão mais popular apresenta cordas por dentro sob o tampo. É um instrumento que encanta pela simplicidade, desempenho e qualidade de vibração. Além disso, todos os modelos são superleves, baratos e fáceis de transportar para qualquer lugar.

Em Capivari, estes pontos positivos fizeram com que as vendas do instrumento aumentassem consideravelmente, sobretudo nos últimos meses. Para Túlio, isso indica que o cajón está se popularizando cada vez mais na região, como uma opção mais fácil de aprender e que não precisa ser afinada. “Mas onde estão essas pessoas?”, questiona. “É isso que vamos descobrir com o Cajoneros.”

Redação

Esta notícia foi publicada por um dos redatores do SeuJornal, não significa que foi escrita por um deles, na maioria dos casos, foi apenas editada.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Desative seu Bloqueador de anúncios e ajude nosso site a se manter vivo